Freguesia » Historial

 

A Freguesia de Carregosa pertence ao Concelho de Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro, e é composta por 22 lugares. Abrangendo uma área de 14 km2, o seu território confina a Norte com as Freguesias de Fajôes e Escariz; a Sul, com as Freguesias de Codal e de Vila Chã, a Nascente, com a Freguesia de Vila Cova de Perrinho, a Poente, com as Freguesias de Pindelo e Nogueira de Cravo. Tem a sua toponímia aprovada desde 1993, na qual figuram 149 ruas identificadas.


O topónimo desta Freguesia provém do termo "carrago", sinónimo de arraial bélico, cercado de carros carregados de armas e munições. Os casais de Arrifaninha, Currais, Ínsua do Codal, Lomba, Mourisca, Paço de Azagães, Póvoa, Teamonde e Vacaria foram bens reguengos da Coroa e, depois, herdados dos Condes da Feira, dos mosteiros de Semide e de Santo Eiói e da Casa do Infantado. Ressalta ainda o facto de dois desses lugares, Teamonde e Ínsua (nos documentos medievais Todemondo e Insula) terem sido importantes "villas" doadas pelo rei Ordonho, em 922. ao Bispo de Coimbra, D. Gomado.

Pertenceu ao termo da Feira, comarca de Esgueira e, depois, da comarca da Feira. Pertenceu também à Casa do Infantado, depois de ter pertencido à dos Condes da Feira, aproveitando o Foral passado a Feira e Terra de Santa Maria, datado de 10 de Fevereiro de 1514.

 

Capela de N.ª S.ª de Lourdes

 

Portal brasonado da Quinta da Póvoa

 

No seu Dicionário Corográfico A. Costa dava conta em Carregosa da existência de uma excelente fábrica de papel, com motor hidráulico, no lugar da Póvoa, a qual havia sido fundada em 1858 e obtivera uma menção honrosa na Exposição Industrial Portuense de 1861. Existem também escritos que atestam a existência de uma fábrica de chapéus, no século XVIII.

 

Carregosa contou, ao longo dos séculos, dentre os seus naturais, com habilíssimos entalhadores em madeira e em pedra, de que são testemunhos o brasão da Quinta da Póvoa e as imagens dos quatro evangelistas na fachada da Capela de Nossa Senhora de Lourdes, na Quinta da Costeira.

 

A povoação de Carregosa foi elevada à categoria de Vila no dia 13 de Julho de 1990.
É conhecida na Freguesia uma lenda, segundo a qual a pedra que se encontra pousada no maciço pedregoso, à entrada poente da Freguesia, foi transportada à cabeça por uma jovem moura.
Diz também a lenda que, no fundo do rio, a seguir ao açude, se encontra uma grade em ouro.
 

 

No âmbito histórico-cultural, importa referir o nome de personalidades locais, que, no seu tempo, muito contribuíram para o orgulho da população de Carregosa, a saber; - D. Manuel Correia de Bastos Pina - Nascido em 1830, formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra. Fez-se padre e cónego da Sé de Viseu e, pouco tempo depois, chantre. Transferiu-se para Coimbra, onde foi deão.


Posteriormente, foi nomeado coadjutor e futuro sucessor do Bispo de Coimbra, tomando conta do bispado por morte do prelado, e foi sagrado em 1872. Recebeu o título honorífico de Conde de Arganil.
Concebeu, com o seu irmão, o cónego António Maria Correia de Bastos Pina, o originalíssimo Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, inaugurado em Agosto de 1902.

 

Merecem também destaque D. Eduarda Vasques, no campo da benemerência; Dr. Juiz Conselheiro Manuel Joaquim Tavares da Costa, na política nacional; Padre Allyrio de Mello, na cultura e crítica literária, e Vicente Sousa Brandão, na petrografia, mineralogia e cristalografia, sendo de realçar a construção, para a Casa Fuess, de Berlim, de um microscópio petrográfico.